[ #PlayMe ] Memórias de uma Gueixa ( comentado )

Mas chentchê!
Como assim que eu NÃO comentei aqui O MEU FILME FAVORITO?!
É.
Meu filme favorito não é "Meu BIAS mafioso" ( estrelando G-Dragon ), nem "Troll Wars: The Evil Maknae contra-ataca" ( Kyu no papel principal, né? #PFVR ).
Mas "Memórias de uma Gueixa", que pra torar a alça do corpete ( É o novo! ) é um filme Made in USA.
#3BjuNaFamíliaObama.
Pois é.
 Entretanto, a fotografia, roteiro e o resto parece feito na casa do Sr. Miyagi. #Caí.
E confesso que foi o ÚNICO filme capaz de me arrancar lágrimas, e olhem que eu assisti "Em Busca da Felicidade" na TPM e nem funguei.

Bora lá?


Quê emoçaummm!~



Memórias de uma Gueixa


Aí vocês me dizem: "Ah, omma! Essa gueixa aí tem os zóio azul. Tá errado!"
Mas é precisamente esse 'defeito' que faz com que toooda a história aconteça.

Vou falar tudo isso mais adiante.



SINOPSE:

O filme conta a história difícil de Chiyo, uma menina japonesa nascida com olhos claros numa família de pescadores. Após o grave adoecimento de sua mãe, seu pai ( sujeito bacana!~ ), vende ela e sua irmã mais velha Satsu, para casas de gueixas diferentes ( por quê muié só dá trabalho e despesa, vocês sabem!... ).
Chiyo vai parar na okiya ( casa de preparação de gueixas ) de uma senhora que todos chamam de "Mãe" ( a véia do cachimbo ), onde também mora Hatsumomo ( #DivaDosPutero #3BjuProRecalq- ), uma das mais belas gueixas da região, e Pumpkin, uma menina da sua idade que está sendo criada para ser gueixa um dia.
Desde sua chegada, Chiyo alimenta o sonho de reencontrar sua irmã e irem embora juntas, mas Hatsumomo sente inveja dos olhos azuis de Chiyo e começa a jogar o veneninho na criança.
Depois de algum tempo, ela finalmente reencontra sua irmã ( que tinha virado uma #poota das mais baixas noutra okiya ) e combinam de fugir juntas.
Hatsumomo descobre o plano e mela tudo.
Como carma é uma via de mão dupla, Chiyo se vinga de Hatsumomo contando pra "Mãe" que ela estava se encontrando com um homem.
As duas se dão mal.
Numa tentativa de fuga, Chiyo cai do telhado e se machuca gravemente.
Agora, devendo muito dinheiro á "Mãe" e sem esperança, ela é convertida de uma maiko ( aprendiz de gueixa ) á uma escrava.
Mas sua esperança é restaurada quando ela conhece um simpático homem no mercado um dia.
Na sua bondade para com a menina quebrada, Chiyo vê a esperança renascer em seu coração, e promete á si mesma que um dia irá reencontrá-lo, e ficar á seu lado.


#Sofri 4evis~



Agora, conhecendo os personagens principais...



Chiyo


É uma inocente. #Apenax
Tudo o que pode acontecer de desgraça acontece na vida dessa criança.
Mas é inteligente, cálida, suave e possui sentimentos nobres.
É a perfeita mocinha japa, mas não é aquela coitada que dá angustia de ver. Pelo menos eu não achei...
E está determinada á tudo para estar ao lado do homem que ama... inclusive... vender-se.



O presidente


Ói, eu gostei deste rapaz desde o primeiro 'oi' dele na cena.
E por quê?!
Por quê ele foi o primeiro que REALMENTE VIU a Chiyo.
Por quê, sendo um completo estranho, ele se importou em colocar um sorriso no rosto da garotinha machucada e sem esperança.
Por quê quando o mundo a esmagou, ele lhe deu o suficiente para curar-se: sua bondade, e não quis nada em troca. Absolutamente nada.



Aí vocês me dizem: "Ai, MAMA, esse velho feio vai ser o par romântico dela?! Ui!"
E eu respondo: Vai. Vai sim. Por quê ele pode não ser lindo de doer, mas o filme inteiro ele se mostra um príncipe. Bom, gentil, generoso, cálido e protetor, e se você assistir e não se apaixonar por ele, eu dou minha cara á tapa!~




Hatsumomo


Podem falar o que quiser da víbora, mas que ela é dona de uma beleza sublime, isso é.
#Vadjéia.
Todo o filme ela brilha.
Ela samba no Jimmy Choo, gentchê. #PFVR.
Mas num vale o que o gato enterra, como diz minha avó.
A inveja é o mau dela.
A #beesha pisa na coitada da Chiyo tanto quanto pode por que tem muita inveja dos olhos dela, e acaba mordendo a língua e morrendo com o próprio veneno.
Frequentou a Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Paola Bratcho, e se formou como primeira da sala na matéria Pisando no Pão Que a Mocinha Vai Comer. Só tirava 10.



Mameha


Essa tia sabe das coisas.
É a gueixa mais #diva do hanamachi.
Samba na riqueza.
É elegante, inteligente e vai ensinar coisas á Chiyo que ela nunca esquecerá.



 Pumpkin


É uma coisinha sem importância aparente que vive na okiya onde Chiyo vai parar.
Seu sonho é ser uma gueixa tão grande quanto Hatsumomo e conseguir a okiya para ela.
De inicio mostra-se amiga de Chiyo, mas a vagaba vira uma víbora com o tempo.



"Mãe" ou Srª Nitta


É a dona da okiya onde Chiyo vai morar.
A véia é porreta! É melhor não mexer com ela.
Tem uma vara de bambú pra corrigir gueixas desobedientes que daria arrepios no sabre de luz do Darth Vader.
Pra ela, o que conta são os negócios, e ela vê nos olhos de Chiyo um grande negócio...



Nobu


Então... o que eu digo desse senhor?
Ele é bacana.
Meio amargurado por causa das cicatrizes de guerra que deformaram parte da sua face. É um homem correto, sério e controlado...
Detalhe: ele odeia gueixas.
Isso até conhecer Chiyo, pelo menos...



AGORA CHEGA DE CONVERSA!
Vamos á historinha!



O ESTRANHO PEDIDO DE MAMEHA





Quando Chiyo faz quinze anos, agora como simples criada de Hatsumomo, Pumpkin estreará como gueixa numa casa de chá e esquece seu shamisen, que é aquele violãozinho parecendo um banjo japonês, então Chiyo vai deixar na casa de chá.
Curiosa para ver como a amiga vai indo na estréia, ela se aproxima para dar uma espiada numa brecha da porta, e nesse momento é surpreendida pelo Presidente.
Ela foge, mas está emocionada por reencontrá-lo após tanto tempo.
Ownnnn!~


Quê bonitchênho!~


Logo em seguida, Mameha, a grande gueixa do hanamachi, aparece na okiya da Véia do Cachimbo com uma proposta sobre treinar Chiyo para ser uma gueixa.
A Srª Nitta desconfia do trato que consistiria em: se Chiyo conseguisse pagar todas as suas dividas com a casa em seis meses após sua estréia, a véia não ia ganhar um centavo dos lucros futuros dela, então Chiyo seria livre.
Se a garota não conseguisse, Mameha pagaria em dobro á Srª Nitta todas as despesas que Chiyo viesse á dar.
Desconfiada, a Véia concorda.




O TREINAMENTO




Quem acha que treinamento militar é dureza, é por que nunca tentou ser uma gueixa...

Mameha é muito gentil com Chiyo, mas ao mesmo tempo implacável.
Ensina-a a sentar-se, agradecer apropriadamente, tocar, dançar, servir chá e mover um leque com destreza.


~ LIÇÕES DA MAMEHA ~

Atenção, meninas. Isso vale para nós também!

 LIÇÃO I

"Temos que transformar você. E o que demora anos, deverá aprender em meses. Digamos que eu esteja atendendo o Barão, como tantos outros clientes, ele vive preso á um casamento arranjado. Então, na casa de chá, quando ele vem em busca de minha companhia, eu o recompenso com isto, o vislumbre de meu pulso. Vendo esta pequena parte recatada da pele nua... Bom, ele sente prazer.
Então, quando você se sentar, por um breve momento, encoste a perna na dele. Oh! Sempre por acidente, é claro."

Obs.: Isso realmente funciona. O lance do pulso e da perna.
Se você souber fazer do jeito certo, REALMENTE funciona, mesmo a parte do pulso.
Num mundo vulgar como o nosso, vocês podem pensar que isso é besteira, mas não é.
O movimento delicado da mão para pegar um objeto sobre a mesa, deixando ver o pulso frágil atrai o olhar interessado do #bophe.
Fiz isso essa semana.
#TrueStory



LIÇÃO II


"Lembre-se, Chiyo: gueixas não são cortesãs. E também não somos esposas. Vendemos nossas habilidades, não nossos corpos. Criamos um mundo secreto. Um lugar apenas onde apenas há a beleza. A palavra 'gueixa' significa artista. E ser uma gueixa é ser julgada como uma obra de arte ambulante."


Obs.: Para mim, ser mulher é mais ou menos assim. Somos um mistério que deve representar sempre beleza e habilidades. FEMINISTAS PODEM ME JULGAR, mas eu acredito nisso. Que nunca realmente seremos compreendidas, e nem devemos sê-lo. Habilidades envolve conhecimento, inteligência, perspicácia. Somos bonitas como obras de arte. A magia de ser mulher está nisso. Em ser sublime na própria simplicidade e calidez. E somos julgadas o tempo todo por tudo o que fazemos.
Não falo sobre fingir e ser o que não é, mas ver á si mesma como MAIS.
Sempre mais.
E eu não crio falsos moralistas aqui, nem hipócritas. Beleza é importante sim, mas quando você é o seu próprio foco, não o outro. Seja linda pra você antes de mais ninguém.
Lembre-se: primeiro você. Você sempre vem em primeiro lugar.


LIÇÃO III


"Para nós, o sofrimento e a beleza vivem lado á lado. Seus pés sofrerão, seus dedos sangrarão, até sentar e dormir será doloroso."


Obs.: Mulheres... Quem nunca arrancou um bife do dedo fazendo a unha? Ou queimou os dedos ou a testa com a chapinha e o babyliss? Ou acertou o delineador bem dentro do olho? #PFVR
Beleza requer sacrifícios, mas estes devem ser feitos sempre levando em consideração o seu bem estar.



LIÇÃO IV


"Não pode se considerar uma verdadeira gueixa enquanto não fizer um homem parar com um simples olhar."


Obs: Eu já consegui. E vocês?



A ESTRÉIA






"Quando Mameha me deu meu novo nome, senti a pequena Chiyo desaparecer atrás de uma máscara branca com lábios vermelhos. Agora eu era uma maiko, uma gueixa aprendiz. Á partir daquele momento disse á mim mesma: quando eu fizer chá, quando servir saquê, quando dançar, quando amarrar meu obi, será pelo Presidente. Até ele me achar. Até que eu seja dele..."

A estréia de Chiyo foi singela.
Mameha a leva para uma casa de chá, para dançar e entreter um grupo de cavalheiros ricos.
Até aqui tava digno. Isso até chegar Nazaré Japanese Version: Hatsumomo, com a bocoió do lado, Pumpkin.
E ela já começou a jogar o veneninho na criança, mas Chiyo, agora Sayuri, rebate sarcasticamente chamando Hatsumomo de velha.
Em casa, a víbora ameaça acabar com ela, e por isso Mameha sugere levar Sayuri para longe do hanamachi, onde Hatsumomo não possa atigi-la.




O AMIGO DO PRESIDENTE





É nesse ponto da história que Sayuri conhece Nobu.
Como eu falei, ele é um tipo ranzinza e durão que se vê rendido aos pés da inteligente gueixa.
Seu primeiro encontro é numa luta de sumô, e dane-se o coitado do Nobu!
A Sayuri queria mesmo era ficar babando em cima do Presidente, que estava por lá, mas Mameha insiste em que ela dê a Nobu alguma atenção pois Hatsumomo aparece e ameaça melar com tudo.
Frustrada, mas #DeBoa, Sayuri acaba surpreendendo o ranzinza Nobu, e ele pede para que Mameha  a traga em outra ocasião de novo.



O MIZUAGI 





Mameha começa a orquestrar a perda da virgindade de Sayuri.
Um passo importante para uma gueixa, e para ela, principalmente, por que é o dinheiro conseguido aí que vai pagar suas dívidas com a Mãe.
Sayuri deve oferecer um bolinho de arroz aos pretendentes, sinalizando que ela está pronta para isso. Eles, por sua vez, disputam num leilão para saber quem paga mais.
Pois é.
Apesar de uma gueixa não ser uma prostituta, a venda da sua virgindade é um passo importante para todas elas. É a linha que separa a maiko da gueixa de verdade. Ou a criança da mulher.
E, é o que as ajuda a pagar as contas que elas contraem nas okiyas.
Depois disso, é escolha de uma gueixa dormir com seu cliente ou não, á menos que ele seja seu danna, seu patrono, amante fixo, e ainda assim ela não é obrigada a dormir com ele, mas ele meio que vira seu 'favorito'.
Ah, gente, é dificil de explicar.



Voltando pro mizuagi...




Mameha insiste com Sayuri que ela deve oferecer seu mizuagi á mais pretendentes, e a safadjeenha da menina já sugere oferecer ao Presidente, mas Mameha nega. Diz que já tendo-o oferecido á Nabu, que é amigo dele, os dois não vão competir.
#FoiUÓ

Hatsumomo envenena outro pretendente de Sayuri. Um véio feio de dar gashtura, o Dr. Caranguejo, e para salvar a reputação de Sayuri, Mameha consegue com que ela faça sua estréia no teatro local, como atração principal.
Sayuri #FECHA de cadeado e consegue tantos pretendentes que não pode contar sozinha.
Ao mesmo tempo o Barão de Mameha chama Sayuri para ir ver o desabrochar da cerejeira na sua casa, e ela só concorda ir por que sabe que o Presidente vai estar lá.
Mas tudo dá incrivelmente errado, e o Barão quase estupra Sayuri.


Chora Carminha! Chora...


É, parece que qualquer escolhazinha da Sayuri dá num Apocalipse zumbi...

WHATEVER!

Mameha fica sabendo do acontecido e diz á Sayuri que ela foi tola. Que colocou tudo á perder, e não escuta quando ela tenta se explicar.



A QUEDA





Sayuri consegue a maior soma da história por um mizuagi, e a Mãe diz que ao invés de estar livre, agora ela vai ser a dona da okiya.
Hatsumomo se revolta dizendo que a Véia do Cachimbo já tinha prometido o posto a Pumpkin, que chora, mas a Mãe está irredutivel.

O 'comprador' de Sayuri acaba por ser o Dr. Caranguejo e Mameha revela que o Barão tinha dado um lance ainda maior, e se desculpa com ela por não ter acreditado que não acontecera nada entre eles, e mais por não ter vendido Sayuri para ele, que foi quem realmente deu o maior lance.
Aí entendemos que Mameha, de fato, ama o Barão.
Ela não assume, é claro, mas também não nega.


Obs.: Coragem, hein, Mameha, de amar e ter por danna esse véio sem futuro.


Depois da pavorosa noite com o Sr. Caranguejo, ao voltar para casa, Sayuri se dá com Hatsumomo em seu quarto, e ela está com o lenço do Presidente que Sayuri sempre guardava.
As duas entram em luta corporal mesmo e a okiya acaba incendiada.
Hatsumomo então, vai embora.


Aqui temos uma das partes mais profundas do filme, quando Hatsumomo vai embora, e a voz de Sayuri soa como plano de fundo para ela:


"Eu poderia ser ela. Agora sou uma gueixa para esta casa. Eu poderia ser ela. Éramos tão diferentes? Ela já amou. Teve esperanças. Eu posso estar encarando meu próprio futuro. Até que o futuro, de verdade, caiu do céu."


Explode a Segunda Guerra mundial, e o Presidente vem buscar Sayuri e Mameha para levá-las para embora de Quioto.
Elas precisam então se separar.




O PEDIDO & A PERDA




"Um ano sem noticias. Só noticias de morte, derrota, vergonha... Rumores de cidade evaporando em nuvens de fumaça. Assim se passou um ano, e depois outro, até que o passado passou a ser um sonho. Eu fui mesmo uma gueixa? Eu cheguei a dançar segurando um leque? Quem segura um leque agora? Ou pinta seus lábios? E se passou mais um ano ainda. Nada. Arroz... Trabalho... Arroz... Trabalho... Nada."



Sayuri voltou a ser Chiyo.
Trabalha tingindo tecidos nas colinas.
Tem calos nas mãos, olhos opacos.
Até Nabu vir procurá-la e lhe pedir o favor de juntar-se á outras gueixas para entreter oficiais americanos a fim de que ele e o Presidente consigam investimentos para serem ricos outra vez, pois a guerra lhes arrancou tudo.
Ela aceita. Não por ela ou por Nobu, mas pelo Presidente.


"Eu tive que me tornar gueixa mais uma vez... Mãe reabriu a okiya. Mas a minha caixa de pó de arroz estava vazia. Meu carvão havia virado poeira... Ainda assim, era a minha única chance de ver o Presidente de novo. Ele notaria as minhas mãos calejadas? A seda puída?
O mundo havia mudado completamente. E ele? E eu? Finalmente encontraria forças para dizer á ele tudo o que eu sentia?"


Sayuri consegue encontrar e convencer Mameha a ajudá-la, e em seguida Pumpkin.
 E as três vão em um avião com o Presidente e Nobu até uma ilha com fontes termais junto com o Coronel Dericks e um outro soldado.
Lá, o tal coronel dá em cima de Sayuri e Nobu vê.
Eles discutem pois Nobu diz sentir ciumes de Sayuri.
Numa conversa com Mameha ela desabafa pela primeira vez no filme inteiro.


Sayuri: Quando você me apresentou á Nobu, eu fui uma tola ao dar atenção á ele!
Mameha: Você não pode, nem deve rejeitá-lo.
Sayuri: Mas Mameha...
Mameha: E o que ele vai pensar?! Foi ele quem salvou a sua vida!
Sayuri: E agora é dono dela?!
Mameha: Sayuri, eu sei muito bem o que é tentar viver sem um danna. 
Sayuri: Eu farei alguma coisa. Qualquer outra coisa.
Mameha: Alugar quartos? Pedir um prato de comida?! Essa é a vida que você quer?!
Sayuri: Eu quero uma vida que seja minha!
Mameha: Nobu sempre se empenhou em tratar você com tanta gentileza...
Sayuri: Eu não quero apenas gentileza...
Mameha: O que quer? O que mais podemos esperar?! Somos gueixas!
Sayuri: Você tinha sentimentos pelo Barão, não tinha?
Mameha: Nunca me permiti ter sentimentos...
Sayuri: Não minta para mim.
Mameha: Com o tempo... se aprende...
Sayuri: Eu não quero aprender!
 Mameha: Sayuri! Não nos tornamos gueixas para buscar nosso destino. Nos tornamos gueixas por que não temos escolha.


Decidida a desgostar Nobu para sempre, Sayuri faz exatamente o que sabe que ele não a perdoará: encontra-se com o Coronel Dericks. Mas arquiteta o plano com Pumpkin, de modo que ela leve Nobu até onde ela se encontrará com o coronel americano.
Só que Pumpkin leva o Presidente, ao invés de Nobu, PRECISAMENTE para que Sayuri o perca.
É uma vingança.
Depois de todos os anos que se passaram, Pumpkin ainda guarda o rancor de ter perdido a okiya para Sayuri, e sabe que ela ama o Presidente, então quer que ela sinta o mesmo que sentiu: a perda.


Sem esperanças mais uma vez, Sayuri se despede dos seus sentimentos jogando fora o lenço do Presidente... e o seu próprio coração...


A GAROTINHA NA PONTE...




"O coração morre... lentamente... Perdendo cada esperança como folhas de outono. Até que um dia não há mais nada. Nenhuma esperança. Não resta nada.
Ela pinta a face para esconder o rosto. Seus olhos são as águas profundas.
Uma gueixa não pode querer.
Uma gueixa não pode sentir.
Uma gueixa é uma artista do mundo imaginário. 
Ela dança. Ela canta. Ela diverte você.
O que você quiser...
Mas ela é uma sombra. Ela é um segredo."


Sayuri volta a ser uma gueixa na okiya da Mãe.
Mas agora ela não ousa ter esperança alguma sobre futuro... ou amor...
Um cliente liga e quer encontrar-se com ela.
É Nobu.
Sayuri veste-se e vai encontrá-lo, mas lá, no ponto de encontro, quem aparece é o Presidente.


E o diálogo que acontece entre eles é o seguinte:

Sayuri: Presidente? Onde está Nobu-san?
Presidente: Ele não virá.
Sayuri: Algum problema?
Presidente: Ele sabe o que houve... E perdoar não é da natureza dele.
Sayuri: Presidente, o que aconteceu naquela ilha...
Presidente: Por favor, você não tem que se explicar.
Sayuri: Mas eu o envergonhei profundamente... Não sou digna de perdão...
Presidente: Não! Eu é que devo pedir perdão.
Sayuri: Eu não consigo entender...
Presidente: Talvez... se você soubesse a verdade...


Eu, nesse ponto do diálogo... 

#MasHein?! QUÊ VERDADE?!


Sayuri: A verdade?
Presidente: Há alguns anos eu estava indo ao teatro, e eu vi uma menininha chorando em Sanagawa, então eu parei e comprei sorvete para ela...
Sayuri: Sabia que eu era aquela menina?
Presidente: Nunca desconfiou por que Mameha cuidou de você?
Sayuri: Mameha me procurou por causa do senhor?
Presidente: Hum-rum...


EU, diante dessa revelação BOMBÁSTICA!~




Sayuri: Gostaria que tivesse me falado isso há muito tempo...
Presidente: O que eu podia fazer? Eu devo minha vida á Nobu. Então, quando eu vi que ele tinha uma chance de ser feliz com você eu fiquei em silêncio. Mas eu... Mas eu não suporto mais. Eu espero... que não seja tarde... Não tenha medo de olhar para mim... Chiyo...

EU

 O.M.F.G!


Sayuri: Não entende? Cada passo que eu dei na minha vida, desde que nos vimos naquela ponte, foi para poder me aproximar do senhor.




"Não se pode dizer para o sol, "Mais sol!", ou para a chuva, "Menos chuva!".
Para um homem, uma gueixa só pode ser metade de uma esposa.
Somos as esposas do anoitecer...
E ainda assim, aprender a ser gentil diante de toda brutalidade. A compreender que aquela menina era mais corajosa do que pensava. E que teve suas preces atendidas. Isso não pode ser chamado de felicidade?
Afinal, essas não são as memórias de uma imperatriz, nem de uma rainha.
Essas são memórias de outra espécie..."









MINHA AVALIAÇÃO FINAL DO FILME


Memórias de uma Gueixa é, NA MINHA HUMILDE OPINIÃO, o melhor filme de todos os tempos.
A fotografia é linda, o roteiro, a trilha sonora...
A delicadeza de cada movimento, mesmo a voz dos dubladores.
E não importa quantas vezes assista, sempre me arrepio e choro no final.
Por quê?
Por que... perceber que ela teve seu final feliz depois de ser incontáveis vezes pisada, de reaver suas esperanças pelas mãos gentis de um estranho que nunca a abandonou á própria sorte...
Que ele esteve lá por ela, quando ninguém mais esteve.
E que ela sempre o buscou enquanto ele simplesmente a esperava...
Seus passos seguindo juntos para que eles se reencontrassem no momento certo...
ISSO ME DÁ ESPERANÇAS TAMBÉM.
A filosofia oriental é linda.
Cada palavra narrada por Chiyo floresce e transborda ao coração.
Por isso este é O MEU FILME FAVORITO, e espero que vocês assistam e deixem que ele fale com vocês.
É preciso se abrir e ouvir, senão este será apenas um filme como os outros, e ele não é.





NOTA: 10



Até a próxima...


Beijos



naylaelric@Hotmail.com


1 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Nayla, simplesmente amei o filme, história maravilhosa, personagens cativantes e palavras tão profundas. Fiquei me oxidando todo hora a medida que surgia as coisas, ficava chocadas com algumas e felizes com outras, admiro tanto Sayuri(Chiyo) por ela ter sofrido tanta coisa, ter passado por tantas macumbas e mesmo assim ela não desistia, tudo por um motivo mais forte que era o Presidente, sendo a única pessoa que verdadeiramente se importou com ela.
    Assisti o filme primeiro depois li o que você escreveu, consigo entender porque você ama tanto essa história me sinto dá mesma maneira. Filme perfeito, arrasou! *-*

Postar um comentário

 
Bar da Meia-Noite © 2011 | Designed by Ibu Hamil, in collaboration with Uncharted 3 News, MW3 Clans and Black Ops